DELINQUENTES TIRAM SONO AOS MORADORES DE ACHADA GRANDE TRÁS

Evanilde Mendes diz-se cansada de ver o irmão mais novo Ailton Patrique Mendes a ser alvo de tentativa de morte por parte de um grupo de delinquentes do seu bairro, em Achada Grande Trás, Praia.

Em declarações à Inforpress, afirmou que já tem muitas queixas na Polícia Nacional, mas que o irmão “continua a correr o risco de vida”.

“Nesta madrugada, por volta das quatro horas atingiram a porta da minha avó com tiros, tendo provocado um grande buraco”, lamentou Evanilde Mendes, informando que, na altura, o irmão “perseguido pelos bandos” não se encontrava em casa, porque tinha dormido em casa de um amigo, quando se apercebeu que os rapazes estavam à espera dele para o atacar.

Segundo Evanilde, o irmão, que estudava no Liceu de Achada Grande Frente, já foi agredido várias vezes com armas brancas e coronhadas de “boka bedju” [arma artesanal].

“O meu irmão abandonou a escola porque estes rapazes ficavam sempre à espera dele à saída das aulas para o atacar”, afirmou, acrescentando que ela própria tem sido alvo de tentativa de ataque por parte do grupo de delinquentes.

Neste momento, Evanilde não anda de autocarro, porque, conforme explicou, tem medo de ser apanhada por aqueles rapazes que a vêm perseguindo por causa do irmão.

“Eles [os delinquentes] param os autocarros, apontam a cabeça para dentro para ver quem está no interior. E se estiver lá alguém que estão à procura, começam a agredir”, contou à Inforpress Evanilde Mendes, para quem, neste momento, a situação de delinquência juvenil em Achada Grande Trás, mais concretamente no chamado Bairro, é “triste e de pânico”.

Fonte: Inforpress

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *