18 MILHÕES DE PESSOAS PRECISAM DE AJUDA ALIMENTAR

O impasse político no Sudão tem agudizado a crise económica. Neste momento 18 milhões de pessoas estariam a precisar de ajuda alimentar. A constatação é da OCHA, agência humanitária da ONU. O relato é de Paola Emerson, a respectiva chefe que apela a uma ajuda financeira urgente.

Desde a queda do antigo presidente Omar al Bashir há 3 anos que o Sudão vive, também, ao ritmo das crises económicas. O país está à beira do colapso económico: a moeda está em queda livre tendo perdido um quarto do seu valor desde o golpe.

A inflação situa-se nos 260%, de acordo com o Programa alimentar mundial 9 milhões de pessoas estão numa situação de fome severa. Tinham sido já os motins denunciando o aumento do preço do pão que tinham estado na origem da queda de Omar al Bashir.

Neste contexto o OCHA, Gabinete humanitário da ONU (Organização das Nações Unidas) apela aos financiamentos internacionais que lhe permitam assegurar a assistência alimentar de que precisariam 18 milhões de pessoas.

Paola Emerson é a respectiva chefe do OCHA no Sudão.

“Em 2021 o conflito tomou proporções: a última época agrícola foi particularmente má, com perdas de 50 a 80% das culturas. Já tínhamos 9 milhões de pessoas em insegurança alimentar. Esse número está projectado para o dobro,18 milhões, em Setembro. O apoio humanitário é cada vez mais importante. Dos 1,9 biliões de dólares que nós projectámos que seriam necessários para a assistência humanitária no Sudão só recebemos 200 milhões. É urgente que recebamos mais apoio !”

Fonte: Rfi

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.