“SEM SEGURANÇA NÃO HÁ DESENVOLVIMENTO, SEM DESENVOLVIMENTO NÃO HÁ SEGURANÇA”

Para combater o terrorismo jihadista que atinge a província de Cabo Delgado, a União Europeia (EU) criou uma Missão de Formação Militar da EU em Moçambique (EUTM Moçambique). O objectivo: formar e equipar 11 unidades de reação rápida nas forças armadas moçambicanas.

A missão, que tem um mandato não executivo, ou seja, não participa em operações militares, tem uma duração prevista de dois anos e um orçamento de 89 milhões de euros para equipar cinco unidades de fuzileiros e seis de comandos.

A formação militar, incluindo a preparação operacional, formação especializada em matéria de luta contra o terrorismo e formação e educação nos domínios da protecção de civis – particularmente das mulheres e raparigas em situações de conflito – fazem parte da missão que visa contribuir para a abordagem integrada da EU para Cabo Delgado.

No terreno, a Força da Missão da EU é comandada pelo Brigadeiro-General do Exército Português Nuno Lemos Pires. Sobre a actual situação em Cabo Delgado, o Brigadeiro-General afirma que “está menos mal, está muito mais controlada. A ajuda do Ruanda, da SADC e das forças treinadas pela União Europeia já vieram fazer a diferença. Mas dizer que o problema está resolvido, nem pensar nisso.

Em entrevista à RFI, o Brigadeiro-General Nuno Lemos Pires começa por revelar como surgiu o convite para Portugal comandar a missão em Moçambique.

Fonte:Fri

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.